ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Loading...

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Cegonhas deixam trânsito mais lento

Apesar da restrição, veículos pesados circulam nas ruas da Capital fora do horário permitido pela AMC

Em algumas vias de Fortaleza, além dos engarrafamentos ocasionados pelo grande fluxo de veículos, a presença diária de caminhões-cegonha que estacionam e circulam em locais proibidos vem atrapalhando os motoristas e deixando o trânsito ainda mais lento. O problema aparece para aumentar a lista de irregularidades que podem ser percebidas por toda a cidade.

Nas avenidas Heráclito Graça, Engenheiro Santana Júnior, Júlio Ventura, Sargento Hermínio, Aguanambi e Washington Soares, devido à presença maciça de concessionárias, os casos são vistos com maior frequência.

Há mais de dois anos dirigindo um caminhão-cegonha de 22 metros e percorrendo diversas capitais brasileiras, o paulista Anderson Teles Feitosa, de 26 anos, tem consciência de que o seu trabalho "embaça" o trânsito. Contudo, diz que precisa descarregar os veículos e entregá-los intactos às concessionárias.



Segundo ele, o tempo gasto para estacionar varia de acordo com o lugar. Para realizar a manobra na Rua José Vilar, por exemplo, no espaço compreendido entre as ruas Bárbara de Alencar e Júlio Ventura, na Aldeota, Anderson gasta mais de meia hora. Enquanto a manobra não é realizada, o trecho fica bloqueado e uma fila enorme de carros com motoristas buzinando e esbravejando se forma.
Mesmo com uma placa da Autarquia Municipal de Trânsito, Serviços Públicos e de Cidadania (AMC) indicando que é proibido estacionar no local, de segunda a sexta, das 7 às 19 horas, os motoristas dos caminhões-cegonha não obedecem, param em qualquer horário e ficam sujeitos às multas.

"A multa vai para o dono da carreta, mas o dinheiro é descontado do nosso salário", explica Anderson, dizendo que não tem outra alternativa, pois precisa fazer o seu trabalho. "Os gerentes pedem para que a gente descarregue os carros na porta da concessionária", completa.

Sem estrutura


Ele destaca que as concessionárias de Fortaleza se diferenciam de revendedoras de outras capitais porque não têm estrutura para receber os automóveis. Em cidades como Recife e Salvador, explica, grande parte das lojas tem depósitos para alocar os caminhões-cegonha e não prejudicar o tráfego.

Ele também reclama da falta de instrução por parte dos agentes de trânsito. "É muita cobrança e pouca orientação", afirma.

De acordo com a AMC, todos os grandes corredores da Aldeota fazem parte da área de restrição de circulação de caminhões com tara acima de 2,5 toneladas. Estes veículos de grande porte não podem circular por esses locais entre as 7 e 20 horas, de segunda a sexta-feira. Aos sábados, a proibição é das 7 às 13h.

Multa


A multa para quem cometer a infração é de R$ 85,00 e quatro pontos na carteira de habilitação. Caso o condutor se recuse a cumprir a determinação, os agentes de trânsito são autorizados a remover o veículo.

A AMC orienta que, nos locais onde é permitido estacionar, as empresas realizem o serviço de carga e descarga em horários de menos movimento para evitar engarrafamentos.

2,5% da frota da cidade são caminhões


Até setembro deste ano, de acordo com dados do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), Fortaleza tinha 760.747 veículos. Destes, 19.268 ou 2,5% estão na categoria de caminhões, um percentual que parece não ser tão representativo assim.

Porém, a quantidade de caminhões que circulam diariamente na Capital é muito maior, tendo em vista que muitos desses veículos vêm de outras cidades cearenses e de outros Estados para distribuir as mercadorias.

"O caminhão-cegonha é problemático em qualquer horário do dia. Deveria haver uma regulamentação para que eles circulassem somente à noite. É preciso sensibilizar os donos das concessionárias, porque eles não trabalham a questão da hora", afirma o presidente do Sindicato dos Caminhoneiros do Ceará (Sindicam), José Tavares Filho.

Quanto aos outros veículos com tara acima de 2,5 toneladas, como os caminhões-baú, Tavares acredita que a AMC deveria oferecer mais áreas para carga e descarga, principalmente no Centro, Aldeota e Mucuripe.

"Praticamente não existe área demarcada. Por isso, muitos estacionam em lugares não permitidos. Os caminhões menores causam menos transtornos", destaca o presidente do Sindicam.

Falta fiscalização


Para o promotor de Justiça Gilvan Melo, coordenador do Núcleo de Atuação Especial de Controle, Fiscalização e Acompanhamento de Políticas de Trânsito (Naetran), os problemas no trânsito se resumem apenas à falta de fiscalização da AMC.

"No caso dos caminhões-cegonha, a demora para fazer a manobra é grande e o trânsito não anda", enfatiza Melo. Na opinião do promotor, para acabar com os transtornos, o ideal seria que, além da aplicação da multa, a AMC apreendesse o veículo em situação irregular. "Se levassem o carro, a situação não se repetiria. Os agentes não veem e, quando veem, aplicam a multa e vão embora".

Uma das propostas do Naetran já apresentadas à AMC para resolver o problema nas vias de grande circulação de veículos de Fortaleza, conforme o promotor Gilvan Melo, é que a carga e descarga dos caminhões com tara acima de 2,5 toneladas sejam realizadas somente das 21 horas às 6 da manhã.

RAONE SARAIVA

ESPECIAL PARA CIDADE

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Mortes no trânsito crescem 66,6%



Apesar da fiscalização, os acidentes ligados à embriaguez ainda são representativos nas rodovias estaduais

A Polícia Rodoviária Estadual (PRE) registrou, no feriado de Natal, 35 acidentes de trânsito. Foram 42 pessoas feridas e dez mortas. O número de óbitos representa um crescimento de 66,6% quando comparado ao igual período de 2010, com seis mortes notificadas.

De acordo com o comandante da PRE, coronel Túlio Studart, 32 blitze realizaram a fiscalização neste ano, sendo dez espalhadas pela Capital e região metropolitana e 22 no Interior do Estado. Ele entende que a fiscalização não está diretamente ligada ao número de acidentes, tendo em vista que, neste Natal, a operação policial foi mais intensa que em 2010.

Na opinião de Studart, diversos fatores contribuem para o aumento do número de colisões nas estradas. Para exemplificar, ele cita o crescimento da frota de veículos. "São de seis a sete mil veículos novos a cada mês no Estado. As pessoas estão com mais condições financeiras, tanto para comprar carro quanto para viajar mais", destaca.

Outro item pontuado pelo comandante da PRE é que, atualmente, os condutores circulam mais pelas rodovias estaduais, formadas por 12 mil Km de malha viária e, segundo ele, em melhores condições que as estradas federais. "Nossas rodovias estão muito bem pavimentadas e sinalizadas. As federais estão intransitáveis e em más condições", avalia Studart.

O comandante também afirma que muitos se recusam a fazer o teste do bafômetro, o que dificulta o trabalho dos agentes. Para ele, a aplicação da multa de R$ 975 e a apreensão da habilitação do condutor por 12 meses não são suficientes para coibir a prática de dirigir alcoolizado.

"Infelizmente, ainda temos de conviver com isso. Na verdade, vários condutores ficam impunes porque a medida administrativa não resolve o problema", ressalta, afirmando que torce para que o projeto que pretende endurecer a Lei Seca seja aprovado no Congresso Nacional.

No feriado de Natal do ano passado, por exemplo, apenas duas pessoas que fizeram o teste do bafômetro estavam dirigindo alcoolizadas. Na época, ninguém se negou a realizar o teste.

Neste ano, informa Studart, dois condutores também cometeram o crime de dirigir com nível alcoólico acima do permitido. Por outro lado, 59 condutores se recusaram a fazer o teste, algo que, conforme o comandante da PRE, denota a ausência de uma punição severa.

"O motorista deve ter em mente que o mais importante é a consciência dele. Se ele mudar o comportamento, também vai mudar esses dados que ainda nos entristecem", comenta.

Estradas federais


Nas rodovias federais, o número de acidentes foi maior que em 2010, porém, com menos mortes. Segundo balanço parcial da Polícia Rodoviária Federal (PRF), até o início da noite de ontem, 44 acidentes haviam sido registrados. Foram 40 feridos e dois mortos.

As mortes aconteceram na cidade de Icó, localizada a 375 Km de Fortaleza. No mesmo acidente, cinco pessoas ficaram feridas.

Em nota, a PRF destacou o acidente em Icó. Para o órgão, o fato demonstra como não se pode falar apenas em números, mas o quanto um único acidente é decisivo quando se fala em segurança no trânsito.

Tendo em vista essa realidade, a PRF destaca a importância de trabalhar para evitar o máximo de colisões possível. No entanto, diz que o resultado do balanço não foi satisfatório, embora a quantidade de acidentes tenha sido reduzida em relação ao igual período do ano anterior. O total de vítimas feridas, contudo, aumentou.

Em 2010, conforme a PRF, entre os dias 23 e 26 de dezembro, 47 acidentes foram registrados nas rodovias federais, com 29 feridos e oito mortos. A Operação Natal foi encerrada pelo órgão a meia-noite de ontem.

Blitze


59 pessoas se recusaram a fazer o teste do bafômetro neste feriado de Natal. Os condutores pagaram multa de R$ 975e tiveram as habilitações apreendidas

RAONE SARAIVA

ESPECIAL PARA CIDADE
Fonte: Diario do Nordeste.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Aeroviários de Fortaleza entram em greve


A movimentação no Aeroporto Internacional Pinto Martins, em Fortaleza,  é tranquila, apesar do anúncio de greve do aeroviários anunciada na tarde desta quinta-feira (22).
Entre os 35 vôos nacionais programados, apenas quatro apresentaram atrasos até as 9h50m desta sexta-feira (23), segundo informações da Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero).
A presidenta do Sindicato Nacional dos Aeroviários, Selma Balbino, informou que os aeroviários (funcionários das empresas aéreas e de serviços aeroportuários que trabalham em terra) iniciaram greve no Rio, em Brasília, em Belo Horizonte e Fortaleza, mesmo sem o apoio dos aeronautas, que decidiram assinar acordo com o Sindicato Nacional das Empresas Aéreas (Snea).

Segundo a líder sindical, a paralisação começou a despeito da decisão do Tribunal Superior do Trabalho (TST) de multar o sindicato em R$ 100 mil por dia se não houver um mínimo de 80% de funcionários trabalhando.

“Nossa greve já começou no Rio, em Brasília, em Belo Horizonte e Fortaleza. A adesão está muito boa. O TST é muito rápido e tem mão pesada para punir o trabalhador. Mas nossa dignidade não custa R$ 100 mil por dia”, disse Selma, na manifestação que ocorreu no Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro-Galeão.

Ela ressaltou que a ameaça de multa se refere ao descumprimento da ordem judicial de manter 80% dos funcionários trabalhando nos dias 23 e 24 e 29, 30 e 31 de dezembro. Ela disse que a continuidade da paralisação vai ser definida pelos trabalhadores. “Por isso nós antecipamos a greve”.

Balbino considerou insuficiente o reajuste salarial oferecido na última quarta-feira (21) pelo Snea, de 6,5%, que incorpora ganho real de 0,33%. “O que é isso? Uma 'merreca' dessas não quero nem saber. O que significa isso no salário do peão? Quando tivermos o piso de operador em R$ 1.200, a gente senta para conversar”, disse a presidenta do sindicato, em referência à proposta do Snea de criar piso para operador de transporte no valor de R$ 1 mil.

Fonte: Diario do Nordeste

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Pirambu é a nona localicade do Brasil com o maior número de domicílios em ocupações irregulares


O Pirambu é a nona localidade do Brasil com o maior número de domicílios em ocupações irregulares. De acordo com uma pesquisa divulgada nesta quarta-feira (21) Pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o bairro possui 11.630 lares nestas condições.

Já em Fortaleza, a Lagoa do Coração aparece na segunda posição, com 5.185 casas. Em comparação ao restante do Brasil, o Pirambu é o nono com maior número de domicílios.
Confira o ranking nacional:
1-Rocinha (Rio de Janeiro) 23 352 domicílios
2-Rio das Pedras (Rio de Janeiro) 18 700 domicílios
3-Sol Nascente (Brasília) 15 737 domicílios
4-Casa Amarela (Recife) 15 215 domicílios
5-Coroadinho (São Luís) 14 278 domicílios
6-Paraisópolis (São Paulo) 13 071 domicílios
7-Baixadas da Estrada Nova Jurunas (Manaus) 12 666 domicílios
8-Heliópolis (São Paulo 12 105 domicílios
9-Pirambu (Fortaleza) 11 630 domicílios

Maioria concentrada na Capital

A pesquisa também aponta que Fortaleza lidera o ranking, contabilizando 194 assentamentos irregulares de um total de 14 municípios. Caucaia aparece logo em seguida, com 14 ocupações e Gaiúba com quatro. Aquiraz, Camocim, Granja, Itaitinga, Juazeiro do Norte, Maracanaú, Maranguape, Pacatuba, Pentecoste, Quixadá e Senador Pompeu também são municípios cearenses que possuem aglomerados irregulares.

Os aglomerados irregulares da Região Metropolitana de Fortaleza representam 11% da população local, com 430.207 ocupações.
Ceará é 3º do NE
De acordo ainda com os números divulgados, o Ceará é o terceiro estado do Nordeste, com 226 assentamentos irregulares, ficando atrás dos da Bahia, com 280 e de Pernambuco, com 347 ocupações. Ao todo são 441.937 pessoas residindo em domicílios particulares nestes aglomerados no Ceará.
Em relação aos outros estados brasileiros, o Ceará ocupa a sexta posição no ranking. Além de possuir números inferiores a Pernambuco e Bahia, o Estado perde também para Minas Gerais, com 372; Rio de Janeiro, com 1.332 e São Paulo, com 2.087 aglomerados.
Fonte: Diario do Nordeste

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Operação conjunta quer reduzir acidentes nas estradas


No Ceará, os primeiros 10 km das BRs 116 e 222 estão em sétimo e oitavo lugar entre os trechos em que ocorrem mais acidentes nas rodovias do País. Os trecho de maior perigo está no Pará: os 10 km iniciais da Belém-Maceió
Começou ontem, prosseguindo até 27 de fevereiro, a operação da Polícia Rodoviária Federal (PRF) para reduzir o número de acidentes nas estradas do País neste período de férias. Com apoio das polícias estaduais, a Operação RodoVida cobrirá 60 trechos, em 18 estados do Brasil, que respondem por 22% dos acidentes mais graves registrados pela corporação. Entre eles está o Ceará.

Em Fortaleza, na 16ª Superintendência da PRF, houve ontem uma reunião integrada com representantes de vários órgãos de trânsito no Estado. Dois trechos com significativo índice de gravidade estão localizados aqui: em sétimo lugar a BR 116, do quilômetro zero ao 10, e em oitava colocação a BR 222, do quilômetro zero ao 10.


“Em todo feriado e fim de ano, há ações programadas, mas nunca houve um nível de articulação entre os estados e a PRF. Sempre foram situações desconexas. Agora, estamos planejados e vamos intervir em conjunto. Isso vai nos permitir um enfrentamento dessa situação”, disse ontem o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo.


Cada um dos 60 trechos monitorados tem 10 quilômetros de extensão. Segundo levantamento feito pela PRF, todos têm uma característica em comum: dão acesso a vias estaduais ou municipais. A ideia da PRF é montar, com as autoridades de trânsito estaduais e municipais, barreiras de fiscalização simultâneas nas rodovias federais e nas vias de acesso localizadas próximas dos pontos críticos.


Os 600 km que serão cobertos pela operação registraram quase 700 acidentes com morte este ano.


O trecho mais perigoso está no Pará, entre os quilômetros zero e 10 da BR 316 (Belém-Maceió), logo na saída da capital paraense. Em seguida, estão os trechos entre os quilômetros 200 e 210 da BR 101 (Translitorânea [RN-RS]) , em Santa Catarina, e os quilômetros zero e 10 da BR 262 (Vitória-Corumbá), no Espírito Santo, na saída da capital capixaba.


A PRF estima que o custo social dos acidentes nas rodovias federais este ano somou R$ 7,9 bilhões, considerando os registros de janeiro a setembro. (das agências de notícias)

Por quê


ENTENDA A NOTÍCIA
Entre os principais motivos para os acidentes estão: alcoolismo, imprudência de motociclistas, excesso de velocidade e ultrapassagem em locais proibidos. Só os motociclistas foram responsáveis 25.437 acidentes, de janeiro a setembro, com 18. 083 feridos leves, 8.166 feridos graves e 1.621 mortes.

Serviço

Lançamento da Operação Rodovida no Ceará
Quando: hoje
Onde: Blitz na BR 116, Km 06 (em frente à sede da PRF)
Horário: das 9 às 11 horas

Operação conjunta quer reduzir acidentes nas estradas


No Ceará, os primeiros 10 km das BRs 116 e 222 estão em sétimo e oitavo lugar entre os trechos em que ocorrem mais acidentes nas rodovias do País. Os trecho de maior perigo está no Pará: os 10 km iniciais da Belém-Maceió
Começou ontem, prosseguindo até 27 de fevereiro, a operação da Polícia Rodoviária Federal (PRF) para reduzir o número de acidentes nas estradas do País neste período de férias. Com apoio das polícias estaduais, a Operação RodoVida cobrirá 60 trechos, em 18 estados do Brasil, que respondem por 22% dos acidentes mais graves registrados pela corporação. Entre eles está o Ceará.

Em Fortaleza, na 16ª Superintendência da PRF, houve ontem uma reunião integrada com representantes de vários órgãos de trânsito no Estado. Dois trechos com significativo índice de gravidade estão localizados aqui: em sétimo lugar a BR 116, do quilômetro zero ao 10, e em oitava colocação a BR 222, do quilômetro zero ao 10.


“Em todo feriado e fim de ano, há ações programadas, mas nunca houve um nível de articulação entre os estados e a PRF. Sempre foram situações desconexas. Agora, estamos planejados e vamos intervir em conjunto. Isso vai nos permitir um enfrentamento dessa situação”, disse ontem o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo.


Cada um dos 60 trechos monitorados tem 10 quilômetros de extensão. Segundo levantamento feito pela PRF, todos têm uma característica em comum: dão acesso a vias estaduais ou municipais. A ideia da PRF é montar, com as autoridades de trânsito estaduais e municipais, barreiras de fiscalização simultâneas nas rodovias federais e nas vias de acesso localizadas próximas dos pontos críticos.


Os 600 km que serão cobertos pela operação registraram quase 700 acidentes com morte este ano.


O trecho mais perigoso está no Pará, entre os quilômetros zero e 10 da BR 316 (Belém-Maceió), logo na saída da capital paraense. Em seguida, estão os trechos entre os quilômetros 200 e 210 da BR 101 (Translitorânea [RN-RS]) , em Santa Catarina, e os quilômetros zero e 10 da BR 262 (Vitória-Corumbá), no Espírito Santo, na saída da capital capixaba.


A PRF estima que o custo social dos acidentes nas rodovias federais este ano somou R$ 7,9 bilhões, considerando os registros de janeiro a setembro. (das agências de notícias)

Por quê


ENTENDA A NOTÍCIA
Entre os principais motivos para os acidentes estão: alcoolismo, imprudência de motociclistas, excesso de velocidade e ultrapassagem em locais proibidos. Só os motociclistas foram responsáveis 25.437 acidentes, de janeiro a setembro, com 18. 083 feridos leves, 8.166 feridos graves e 1.621 mortes.

Serviço

Lançamento da Operação Rodovida no Ceará
Quando: hoje
Onde: Blitz na BR 116, Km 06 (em frente à sede da PRF)
Horário: das 9 às 11 horas

Operação conjunta quer reduzir acidentes nas estradas


No Ceará, os primeiros 10 km das BRs 116 e 222 estão em sétimo e oitavo lugar entre os trechos em que ocorrem mais acidentes nas rodovias do País. Os trecho de maior perigo está no Pará: os 10 km iniciais da Belém-Maceió
Começou ontem, prosseguindo até 27 de fevereiro, a operação da Polícia Rodoviária Federal (PRF) para reduzir o número de acidentes nas estradas do País neste período de férias. Com apoio das polícias estaduais, a Operação RodoVida cobrirá 60 trechos, em 18 estados do Brasil, que respondem por 22% dos acidentes mais graves registrados pela corporação. Entre eles está o Ceará.

Em Fortaleza, na 16ª Superintendência da PRF, houve ontem uma reunião integrada com representantes de vários órgãos de trânsito no Estado. Dois trechos com significativo índice de gravidade estão localizados aqui: em sétimo lugar a BR 116, do quilômetro zero ao 10, e em oitava colocação a BR 222, do quilômetro zero ao 10.


“Em todo feriado e fim de ano, há ações programadas, mas nunca houve um nível de articulação entre os estados e a PRF. Sempre foram situações desconexas. Agora, estamos planejados e vamos intervir em conjunto. Isso vai nos permitir um enfrentamento dessa situação”, disse ontem o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo.


Cada um dos 60 trechos monitorados tem 10 quilômetros de extensão. Segundo levantamento feito pela PRF, todos têm uma característica em comum: dão acesso a vias estaduais ou municipais. A ideia da PRF é montar, com as autoridades de trânsito estaduais e municipais, barreiras de fiscalização simultâneas nas rodovias federais e nas vias de acesso localizadas próximas dos pontos críticos.


Os 600 km que serão cobertos pela operação registraram quase 700 acidentes com morte este ano.


O trecho mais perigoso está no Pará, entre os quilômetros zero e 10 da BR 316 (Belém-Maceió), logo na saída da capital paraense. Em seguida, estão os trechos entre os quilômetros 200 e 210 da BR 101 (Translitorânea [RN-RS]) , em Santa Catarina, e os quilômetros zero e 10 da BR 262 (Vitória-Corumbá), no Espírito Santo, na saída da capital capixaba.


A PRF estima que o custo social dos acidentes nas rodovias federais este ano somou R$ 7,9 bilhões, considerando os registros de janeiro a setembro. (das agências de notícias)

Por quê


ENTENDA A NOTÍCIA
Entre os principais motivos para os acidentes estão: alcoolismo, imprudência de motociclistas, excesso de velocidade e ultrapassagem em locais proibidos. Só os motociclistas foram responsáveis 25.437 acidentes, de janeiro a setembro, com 18. 083 feridos leves, 8.166 feridos graves e 1.621 mortes.

Serviço

Lançamento da Operação Rodovida no Ceará
Quando: hoje
Onde: Blitz na BR 116, Km 06 (em frente à sede da PRF)
Horário: das 9 às 11 horas

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

BLOCO DE UTILIDADES E SERVIÇOS SERÁ INAUGURADO EM MARÇO


Está confirmada para o mês de março do próximo ano a inauguração do Bloco de Utilidades e Serviços (BUS) da Cearáportos, empresa que administra o Porto do Pecém. A nova edificação vai abrigar vários serviços que vão beneficiar os funcionários do porto e também das empresas que atuam naquele terminal marítimo.
As dependências da Receita Federal vão iniciar a ocupação do prédio, com previsão de instalação já no primeiro mês de 2012 e funcionamento imediato. Em seguida serão instalados restaurante, agência bancária, agência dos Correios e cartório.
O prédio, com dois pavimentos, representa um investimento de R$ 4,3 milhões provenientes do Governo do Estado através da Secretaria de Infraestrutura, melhorando, consideravelmente, a qualidade dos serviços prestados tanto aos funcionários da Cearáportos como também aos que pertencem às empresas que operam naquela terminal.
A inauguração do Bloco de Utilidades e Serviços chega também para atender a reivindicação do Forum Unificado dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Complexo Industrial e Portuário do Pecém e sindicatos que atuam no setor, que trimestralmente reúnem-se com o secretário Adail Fontenele e dirigentes da Cearáportos com a finalidade de melhorar cada vez mais os serviços ali prestados.
Assessoria de Comunicação da Cearáportos
Joseoly Moreira ( joseoly@gmail.com – 85 9983.2525)


quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

ESTATUTO DO CAMINHONEIRO



Emenda substitutiva para regulamentar a profissão de motorista é aprovada

O Senado aprovou a emenda substitutiva para regulamentar a profissão de motorista, a próxima etapa é a votação na Câmara dos Deputados, prevista para acontecer no primeiro semestre de 2012. “Essa é uma conquista muito importante para o setor, pois valorizará a profissão do motorista, por meio de mecanismos regulatórios justos”, afirma Flávio Benatti, presidente da NTC&Logística.


De acordo com o executivo, o setor se uniu para atingir esse resultado. “As seções de carga, passageiros e autônomos da CNT, junto com os empresários, os sindicatos e as federações contribuíram para escrever a sugestão de substitutivo do projeto de Lei 319 e lutaram pela causa até o final”. No final de outubro passado, a CNT (Confederação Nacional do Transporte) – e a CNTT (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes Terrestres), apresentaram emenda substitutiva ao Projeto de Lei no Senado (PLS) 271/2009 e Projeto de Lei na Câmara (PLC)319/2010, que se encontram atualmente na Comissão de Infraestrutura do Senado.


Representantes das duas entidades entendem que a Lei deve ser mais ampla, por envolver temas que estão em constante discussão na sociedade, como segurança no trânsito, principalmente em rodovias e tempo de direção dos motoristas. Por uma questão técnica legislativa, os responsáveis pela emenda acreditam que o projeto de lei deve contemplar a regulamentação da profissão do motorista, porém as regras necessárias ao disciplinamento da jornada de trabalho do motorista empregado devem ser estabelecidas em capítulo acrescido na CLT (Consolidação das Leis do Trabalho).


Por outro lado, para o estabelecimento de normas sobre o tempo de direção, o entendimento adotado foi o de que estariam melhores no Código de Trânsito Brasileiro cujas regras devem ser observadas por todo e qualquer motorista, seja ele autônomo ou empregado. Outro ponto diz respeito as regras sugeridas para o controle e limitação do tempo de direção que traz a previsão de paradas obrigatória dos motoristas na estrada.


Assim, houve o entendimento de ser necessária a previsão da instalação de infraestrutura para permitir a criação de pontos de apoio e parada do motorista com segurança, higiene e conforto, inserindo-se alterações nas leis que tratam das concessões de rodovias e parcerias público-privadas como forma de viabilizar a construção de pontos de paradas em todas as rodovias.


Fonte: o carreteiro

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

DIETA DEVE SER BALANCEADA


O sedentarismo e a má alimentação são aspectos frequentes na vida de quase todo caminhoneiro. Quando o tempo permite e os postos contribuem, é possível preparar uma boa comida e ainda fazer exercícios


Não há rotina na vida dos caminhoneiros. São, em média, quatorze horas diárias de estrada percorridas em um período de, no mínimo, um mês, nos quais os motoristas amanhecem em uma cidade e dormem em outra.


Se isso por um lado é visto com um certo encanto pelos seus profissionais, essa inconstância, onde os locais de passagem geralmente não são os mesmos, torna difícil encontrar pontos confiáveis no trajeto que proporcione uma comida de melhor procedência a baixo custo.


Segundo o presidente do Sindicato do Caminhoneiros (Sindicam-CE), José Tavares, os preços de um bom prato em beira de estrada, normalmente, permeiam os R$ 25,00, no entanto, para conseguir custear esse gasto diário, o caminhoneiro deveria desembolsar R$ 18,00 a mais do que lhe é dado no vale refeição.


A saída para alguns é instalar ou fazer uso da caixa de cozinha que por vezes acompanham a estrutura dos caminhões. Ela é utilizada para armazenar e também como superfície para preparar o alimento. "Quem tem, consegue ter uma comida de melhor qualidade. Hoje em dia, uma das coisas mais terríveis de nossa profissão é o stress e, por conta disso, vem a pressão alta. Isso porque você não tem um local adequado para se comer, é obrigado a ir onde dá o horário para parar e as comidas são, muitas vezes, de má qualidade", explica José.


No momento ele parou de dirigir por estar no Sindicato, porém, em seus dias de caminhoneiro, o próprio José também assumia a direção da cozinha. "Eu usei muito. Eu só cozinhava duas vezes na semana e preparava comida para três dias. Então, quando chegava a hora do almoço, eu parava em um local e aquecia na própria caixa, que tem botijão de gás, fogão e tudo. Tem companheiros que têm até micro-ondas dentro da cabine", lembra.


Para aqueles que têm excesso de carga-horária, fica inviável, devido ao curto tempo destinado à hora da refeição, parar para preparar a própria comida. Então, resta escolher o que aparenta melhor ou, quando se faz as mesmas rotas, tentar comer nos locais já conhecidos. "Tem lugares que você tem que andar com um medicamento dentro da cabine do caminhão. Eu mesmo já tive que interromper minha viagem por conta de comida de má qualidade", pontifica.


Se não bastasse tentar adivinhar qual comida vai adequar-se melhor ao estômago e ao paladar, o caminhoneiro também deve prestar atenção ao quão saudável é a sua dieta. Segundo a nutricionista e integrante do programa Medicina Preventiva do Hapvida, Vera Lúcia Batista, o ideal seria fracionar as suas refeições para que o motorista não se alimente com tanta fome e acabe escolhendo mal os alimentos.


Por isso, o profissional deve ter, em média, seis refeições balanceadas, nas quais se devem evitar, ao máximo, gordura, muitas fontes de carboidrato e a ingestão de líquido junto a comida.


Além disso, ela também destaca a importância das carnes magras, como frango ou peixe, tanto no almoço quanto no jantar, para que o prato não fique muito pesado.


Excetuando o caráter prejudicial a digestão e ao aumento de peso, uma refeição rica em gorduras, por exemplo, pode até causar uma sonolência, fator de risco quando aliado à direção.


De barriga cheia


Com o tempo cronometrado para abastecer, tomar banho, descansar e comer, a má digestão e o sedentarismo acabam sendo outro problema. Uma ferramenta para auxiliar os motoristas é a instalação de miniacademias nos postos grandes de serviço. Segundo o presidente, não há nenhum exemplo delas no Nordeste, mas já foram feitas, por exemplo, em São Paulo..


Dicas


1º Reduzir a gordura: ideal é substituir a carne vermelha pela branca, como o frango ou peixe, tanto no almoço como no jantar


2º Aumentar a ingestão de líquido entre as refeições: colocar água em uma garrafa térmica para se hidratar ao longo do dia


3º Não colocar tantas fontes de energia: escolher apenas um alimento rico em carboidratos, por exemplo, macarrão, arroz ou batata


4º Melhorar o teor de fibra: o melhor é incluir barras de cereal ou frutas entre as refeições


5º Fazer ginástica: o indicado é fazer alguns alongamentos, mesmo estando dentro do caminhão


Fonte: Diario do Nordeste

MP VAI DENUNCIAR TÉO POR DESVIOS


Promotores apontam que eleição do deputado Téo Menezes recebeu dinheiro público que seria para kits sanitários

Promotores de Justiça, da Procuradoria de Crimes Contra a Administração Pública (Procap), disseram aos deputados estaduais Augustinho Moreira (PV), Fernando Hugo (PSDB) e Heitor Ferrer (PDT), na última segunda-feira, que concluíram as investigações sobre desvio de recursos do Estado para a construção de banheiros em residências de famílias pobres no Interior do Estado.

Os resultados da apuração devem ser tornados públicos nos próximos 15 dias. Embora não tenham exibido os documentos que comprovam o desvio do dinheiro saído da Secretaria das Cidades, para entidades e associações que teriam fraudado o programa de construção dos banheiros, os promotores disseram aos deputados que uma parte do dinheiro saiu do Banco Bradesco para pagamentos de material e serviços da campanha do deputado estadual Téo Menezes (PSDB).

 

Dificuldades

Alegaram os promotores que a parte mais difícil da investigação foi rastrear os caminhos dado ao dinheiro em razão da demora do banco em quebrar o sigilo das associações sob suspeita. Além disso, a precaução adotada pela própria Procap para evitar questionamentos que pudessem resultar em prejuízo da própria investigação, gerando, consequentemente a nulidade de todo o processo.

Os promotores também não esconderam dos deputados, a preocupação que têm com o curso a ser dado pela Procuradoria de Justiça, em razão da mudança de comando que deverá ocorrer nos próximos dias, com a saída de Socorro França e a entrada de uma outra pessoa para ocupar a chefia do Ministério Público a ser escolhida da lista tríplice encaminhada ao governador Cid Gomes, como determina a Constituição do Estado do Ceará.

Os deputados estaduais têm foro privilegiado e, em razão disso, só podem ser processados criminalmente no Tribunal de Justiça. Os promotores não podem propor ações no Tribunal, cuja competência é privativo de procuradores de Justiça.

Cópias


Tão logo possam ser tornada público a conclusão dos trabalhos dos promotores da Procap, a Assembleia Legislativa vai receber cópias do processo para que adote as providências da sua competência em relação ao deputado, depois de instaurado o processo disciplinar, segundo o seu Regimento, podendo chegar até a cassação do mandato.

Em relação ao envolvimento dos secretários, da Secretaria das Cidades, que tiveram envolvimento direto com os convênios para as construções dos banheiros, os promotores cuidarão das próprias ações.

Nada foi informado aos deputados sobre o envolvimento no caso do conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, Teodorico Menezes, atualmente afastado das funções, por decisão própria em razão de ter sido apontado, na época, como o autor do intelectual dos desvios.

Associações que assinaram convênios com a Secretaria das Cidades sacavam o dinheiro liberado pelo Estado de uma agência do banco, em Fortaleza, e diretamente pagavam contas de material gráfico, de serviços de transporte e até de compra de tecidos, tudo relacionado à campanha eleitoral, do ano passado, de reeleição do deputado Téo Menezes.

Fonte: Diario do Nordeste